CLICK HERE FOR BLOGGER TEMPLATES AND MYSPACE LAYOUTS »

quinta-feira, 27 de abril de 2017

Boa noite!


quarta-feira, 26 de abril de 2017

Faça saber

Fragmentos



Por que fixar o olhar no azul do firmamento em busca da fraternidade e das doçuras de compartilhar sua vida com as pedras fixas em seu lugar de origem e abandono?

Qual seria o desempenho do devenir de uma vida sustentada
por lágrimas choradas em dor no desespero da despedida?

Qual necessidade tem a bela natureza em criar seres susceptíveis de amor?

Por que a melancolia insiste em semear vermes contaminando
com tédio, nojo e tormentas de paixões?

rubi




25 de Abril


domingo, 23 de abril de 2017

PAZ

https://youtu.be/cIQQm-ZAUOQ

Santa Maria Lutani

quarta-feira, 19 de abril de 2017

.“JE NE SAIS QUOI”



Ponho a pensar sempre o que foi o “je ne sais quoi” para entender um pouco de mim. Quiçá se soubesse o porquê daquilo, o fardo que carrego se tornaria mais leve. Alguns dizem que sofri uma depressão, outros concluíram que tive um tremendo choque cultural, outros dizem que tive um “baita”  pitty, outros acham que é bipolarismo mesmo, outros acham que foi uma crise de pânico outros bla, bla, bla...
Digo: creio com reservas, nos dois primeiros pareceres.
Primeiro foram tempos e tempos de inanição. Não pensa que passei por ela por falta, ela foi imposta a mim e tive de cumpri-la para não ficar pior. Com a inanição veio o “je ne sais quoi”, a tristeza, o cansaço, a falta de vontade de tomar algumas atitudes. Seria isso depressão?
Segundo: esse foi terrível. Talvez tivesse mesmo um imenso choque cultural.
Vale dizer que esse choque não foi em decorrência da travessia da lagoa atlântica. Esse habitat é perecido com o outro. Mesma arquitectura do Marques de Bombal, mesmas ladeirinhas, mesmas ruas estreitas, mesmos cafe(zinhos) e até mesmos alguns arranha-céus; iguais os moradores de Vila Isabel onde cumprimos nossa vida laboral. Bairro considerado boémio, mas nele está o maracanã, a UERJ, a mangueira, os belos cafés e suas calçadas pautadas com música de Noel Rosa...
Amanhã falarei do “choque cultural” e “otras cositas mas”, se houver tempo.